quarta-feira, 31 de maio de 2017

Resenha | Tormenta - Lauren Kate - Livro 2




Autor: Lauren Kate
Editora: Record
Páginas: 391
Avaliação:
     


Novamente Luce Price precisa se adaptar.
Quando iniciei a leitura de "Tormenta" tinha a sensação que a narrativa seria bem semelhante ao primeiro volume da série "Fallen", porém a história se mostrou reveladora.

Após sair do reformatório de Sword & Cross, Luce agora segue para a escola Shoreline na rochosa costa da Califórnia, onde nefilins, filhos e descendentes de anjos com mortais, aprimoram seus dons. Seu desafio torna-se ficar dezoito dias no local, proibida de ter qualquer contato com Daniel. Seguinte seu amado, os Párias (anjos negros) estariam a procura de Luce e a escola é seu único refúgio. Porém os mesmos dezoitos dias na verdade é uma trégua entre o bem e mau angelical. Agora Cam e Daniel juntam-se por um mesmo propósito: proteger Luce.

Como seria a vida de Luce Price se não estivesse amaldiçoada a reencanar à cada dezessete anos, por conta do amor que sempre alimentou pelo anjo Daniel Grigori? Essa certamente é a grande questão discutida em "Tormenta".

Em Shoreline, a protagonista finalmente entende para que servem os anunciadores e como usá-los. Vendo que em um local aonde todos procuram não falar do passado, os anunciadores parecem trazer algumas respostas para suas questões. Outros personagens também ganham destaque no enredo como Shelby (nova amiga de Luce) que acaba revelando-se ser ex de Daniel e o apaixonante Miles, garoto que faz Luce contradizer todos seus mais profundo sentimentos e pensamentos sobre sua vida atual.

Neste livro também conhecemos alguns fatos interessantes sobre as outras vidas de Luce e pessoas que fizeram parte delas. Vemos como Luce, encara sua própria morte por vezes e o conflito interior da personagem, por todos aqueles que já a amaram e teve que vê-la partir. Sua mudança com relação as pessoas mais próximas como Callie e seus pais também não passam despercebidas, agora ela se importa com o tempo que resta para ficar ao lado deles. Luce têm um grande amadurecimento emocional em "Tormenta". 

Sobre o final, bom...surpreendente! A única coisa que posso revelar é que "Tormenta" foi a primeira porta que foi aberta para mergulharmos nas diversas camadas que é o passado de Luce e Daniel. Enfim, poderei conhecer o passado de mistérios obscuros no próximo livro da série "Paixão". #Recomendo

Resenha | Fallen - Lauren Kate - Livro 1





Autor: Lauren Kate
Editora: Record
Páginas: 401
Avaliação:
     


Existe algo na vida de Luce Price, que ela nunca conseguiu explicar. Desde muito cedo a jovem vê sombras, as mesmas que aparecem toda vez que algo muito ruim está para acontecer. Ao ser enviada para o reformatório de Sword & Cross (colégio interno para adolescentes problemáticos), após ser acusada por um estranho incêndio que tirou a vida de Trevor, a jovem de 17 anos fica encantada por Daniel Grigori, um misterioso rapaz que passa os dias seguintes afastando ao máximo de Luce. Por outro lado o extrovertido Cam, insisti em persegui-la. A medida que Luce avança em sua busca por mais informações sobre a família Grigori, com sua nova amiga Penn, coisas estranhas começam a acontecer e grandes descobertas fazem Luce vê o que a atração que sente por Daniel e ligação com Cam vai além de sua compreensão, e além da sua vida atual.


Apesar de muito jovem a personagem mostra uma grande maturidade. Mesmo Luce estando completamente perdida em Sword & Cross, tendo dificuldade para interagir com as outras pessoas e não entendo de fato o que acontece consigo, ela ainda sim consegue compreender que os sonhos, as sombras e os diversos dejá vus com Daniel estão de alguma maneira conectados. 

O fato de Cam ser alguém totalmente interessado em Luce , enquanto Daniel é indiferente deixa o contexto muito mais interativo, vemos um jogo de atrações não correspondido criar um laço e possível triângulo amoroso entre os personagens. Porém Daniel está ciente que precisará em algum momento estar perto de Luce, que não conseguirá fugir para sempre do que já está predestinado, isso fica bem claro desde o inicio da leitura.

"As descobertas" esse seria um pelo subtítulo para "Fallen". Quando você menos espera acontece algo que você não imagina e a ação começa, recomeça e recomeça. 

O que mais me surpreendeu em "Fallen" é que até as páginas finais a autora Lauren Kate consegue esconder muito bem suas reais intenções, os segredos que envolvem Luce e os demais personagens, revelando enfim que o livro tem como tema principal: Os anjos. Simplesmente fascinante. 

O fim, não é o fim... Apenas o começo, literalmente em "Fallen". Que os anjos e as sombras estejam de volta em "Tomenta". Mal vejo a hora de começa mais esta nova jornada. 

#Recomendo

segunda-feira, 29 de maio de 2017

Resenha | Cidade de Vidro - Cassandra Clare - Livro 3





Autor: Cassandra Clare
Editora: Galera Record
Páginas: 476
Avaliação:
      


ATENÇÃO: Esta Resenha contém spoilers


Se você ainda não virou fã dos livros de Cassandra Clare, e ama histórias de anjos, demônios, vampiros, lobisomens e até mesmo fadas, após "Cidade de Vidro" tenho certeza que se renderá. Perfeito! Diria que o livro já é "um" dos melhores da série dos Instrumentos Mortais. 

Neste livro, finalmente conhecemos a cidade dos caçadores de sombras, a tão comentada Idris. Novamente Valentim estará atrás de um instrumento para concretizar o seu plano, o Espelho Mortal. Isso acaba levando todos inevitavelmente para Idris de alguma forma. Com Jocelyn ainda em coma, Clary tem apenas um objetivo : encontrar o feiticeiro Ragnor Fell.
Um novo personagem Sebastian Verlac, também terá grande papel de destaque (começando pela capa), desestabilizando nossos shadowhunters favoritos.

Cidade de Vidro é um livro decisivo, encerrando o primeiro ciclo (trilogia) da série. Descobrimos que Jocelyn, sempre foi uma peça fundamental na história quando ela finalmente se recupera, trazendo consigo o grande climax. Com informações privilegiadas, sobre todo o seu passado de Idris, a verdadeira origem de Jace, Sebastian, Clare e seu real envolvimento com Valentim e Luke. Há muitas cenas de combate, perdas e dor. Algumas impactantes e emocionantes (Oh, Max...), assim como várias revelações amorosas (#Malec #Clace e mais). Os anjos também aparecem agora não como referências pelos caçadores de sombras, mas em sua forma real. Raziel, marcará sua presença com chave de ouro neste terceiro livro.

Para os fãs de Magnus, saibam que apesar de a história se passar em Idris é notório que a autora está fazendo alguns fechamentos de assuntos muito desejados pelos fãs de seu universo angelical, e sendo um feiticeiro com mais de 300 anos, claro que Magnus não poderia ser excluído. Além do mais, sua ligação com Alec estará muito mais forte neste livro, deixando todos os fãs #Malec muito felizes. 

Uma grande aliança com o Submundo também é formada em Cidade de Vidro e através dela muito se é discutido sobre o real papel da Clave e suas leis. Durante todo o livro vemos como Valetim conseguiu tudo o que almejou por todos os anos seguintes, como o envolvimento de Hodge o ajudou em seus futuros planos contra Jace e Clare, como um segredo pode corromper não apenas algumas vidas mais todo o mundo dos caçadores de sombras.

Enfim, o terceiro volume da série te conquista não apenas pelos finais surpreendentes de cada personagem, mas pelo fato de a autora com muita criatividade e inteligencia ter ligando tão bem todas as pontas soltas da história. Quando você lê "Cidade de Vidro" fica a impressão, que tudo se originou dele, como se ele fosse o primeiro livro da série. Todas as histórias, segredos, revelações, romances , lutas e batalhas estão neste volume e isso é impressionante para dizer o mínimo. Estou completamente encantada com a série e continuarei lendo os demais livros. #Recomendo

Resenha | Cidade das Cinzas - Cassandra Clare - Livro 2




Autor: Cassandra Clare
Editora: Galera Record
Páginas: 406
Avaliação:
      


ATENÇÃO: Esta Resenha contém spoilers

No Final do primeiro volume de instrumentos mortais, descobrimos inesperadamente que Clare e Jace são irmãos, filhos do vilão Valentim e Jocelyn. Neste segundo livro da série, as consequências desta grande revelação acaba recaindo sobre Jace, sendo acusado de estar ajudando seu pai Valentim em seu plano diabólico contra a Clave.
Se em " Cidade dos Ossos", Clare é introduzida no mundo dos caçadores de sombras, agora em "Cidade das Cinzas", ela procura se manter afastada. Porém por diversas razões se vê obrigada a voltar para o Instituto, pelos atos inconsequentes de seu irmão. Este também é um livro decisivo para Simon que tem sua vida completamente mudada.

Apesar de Jocelyn continuar em coma, o foco passa ser Valentim. Temos muitas cenas interativas com todos os personagens em conjunto, pois tanto Luke, Magnus, Simon e os caçadores de sombras procuram desvendar os mistérios que se esconde por trás da busca determinada de Valentim pelos instrumentos mortais. 

Também conhecemos duas novas personagens importantes Maryse Lightwood (mãe de Izzy, Alec e Max) e a Inquisidora Imogen Herondale. Jace, mostra-se mais agressivo, instável e sem controle procurando seu pai mesmo quando não deveria, intrigando a todos a sua volta, principalmente a Inquisidora que o persegue.

Os sentimentos mal resolvidos de Clare e Jace também se farão presentes, fazendo Clare começar um relacionamento com Simon sem entender direito o que quer para si, enquanto Jace parece não se importar que a jovem é sua "irmã", continuando atraído por ela de forma carnal. Tudo isso gera ciúme e inconformismo, induzido Simon a uma escolha não muito positiva após um episódio perfeito para os fãs de "Clace" e drástico para quem gosta do personagem de Simon. Fiquei preocupada que o personagem perdesse sua essência após o ocorrido mas Cassandra Clare, conseguiu manter o melhor do personagem deixando-o mais forte.

O líder dos vampiros Rafael, terá relação direta a Simon, fica a dica. Magnus também está mais ousado e interrogativo do que nunca em "Cidade das Cinzas", além de uma "suposta relação" ficar no ar com Alec, que não confirma os fatos, mas sempre sabe como chegar a Magnus. Em relação a Izzy descobrimos que a jovem tem uma relação significante com o mundo das fadas. Também temos o primeiro conflito direto com Valentim que na minha opinião foi uma das melhores parte do livro. Muitos fatos importantes são discutidos durante a luta de demônios. 


Gostei muito de "Cidades das Cinzas" pois apesar de ser um livro menos descritivo, contém muito mais cenas ação do que o primeiro, revelando muitos elementos novos sem cair da monotonia. A revelação que Clary sendo mais poderosa do que acredita, Simon transformando-se em um "filho da noite", Jace sendo questionado, interrogado, punido e fragilizado, Luke e seu bando aparecendo para somar, Magnus e Alec em interagindo em momentos quase românticos e Valentim mostrando toda sua maldade com maestria, fazem esse livro entrar para os meus favoritos. Além de o final ser perfeito! Afinal Jocelyn ainda faz parte da história, certo? Tenho certeza que quem é fã vai gostar. #Recomendo

quinta-feira, 25 de maio de 2017

Resenha | Cidade dos Ossos - Cassandra Clare - Livro 1



Autor: Cassandra Clare
Editora: Galera Record
Páginas: 459
Avaliação:
      


Todas as lendas são verdadeiras. 
Simplesmente fantástico!

Cidade dos Ossos é o primeiro volume da série "The Mortal Instruments" de Cassandra Clare. Nele somos apresentados a Clary Fray, uma jovem, que após testemunhar um "assassinato" em uma boate, vê sua vida virar de ponta cabeça. Tudo porque o "humano" que viu morrer na verdade era um demônio e o fato de ela conseguir ver os caçadores de sombras executa-lo, chama a atenção principalmente de Jace. Após a situação Clary, tem sua mãe sequestrada, descobrindo que faz mais parte desse novo mundo do que poderia imaginar.
É difícil falar de Cidade dos Ossos sem dar mais spoilers pelo fato de ter tantos elementos ricos dentro que uma só história, dá vontade de dizer tudo.. Mas vou tentar manter o foco no contexto geral, então vamos lá.

O fato de Clary saber de forma repentina sua verdadeira origem sendo jogado tantos fatos de uma só vez no "ventilador", deixa tudo mais empolgante. Cassandra Clare faz o leitor conhecer este mundo de Instrumentos e símbolos junto com Clary. A autora também explica cada item diferenciado da história não deixando lacunas. Essa interação direta com o leitor faz toda diferença. E sim, muitas, muitas partes de ação, luta, demônios, mortes, lobisomens, vampiros, caçadores e revelações, deixam tudo mais divertido! 

Referente aos personagens tantos os masculinos, como os femininos são muito fortes e marcantes. A medida que vão sendo ligados um aos outros, as emoções ficam mais intensas. Jace é um personagem simplesmente forte, másculo e apaixonante...Não há como negar. Assim com o doce e romântico Simon, também é simplesmente encantador. Alec, diria que é um diamante bruto em fase de lapidação. E quem não gostaria de ter uma melhor amiga como Izzy? Ela é fantástica. O misterioso Magnus, vai te deixar curioso por mais. O revelador Luke, vai fazer seu queijo cair e até Jocelyn (Mãe de Clary) que fica a maior parte do livro desaparecida não tem seu brilho apagado e sim iluminado a cada página virada. Enfim, conheceremos o vilão Valentim, com ele muitos corações serão partidos e não me refiro apenas a Clary e Jace, gente! 

Vale lembrar que o foco de Cidade dos Ossos, também é encontrar o Cálice Mortal, pois ele foi o instrumento que deu vida aos primeiros Nephilins ( metade anjo e humano / Caçadores de Sombras) que por algum motivo sombrio Valentim o deseja loucamente. Então vem a dúvida: Este foi apenas o primeiro instrumento revelado por Cassandra Clare? Alguém (eu) já quer ler o próximo livro!

Para quem assistiu o filme, como sempre digo, as vezes se perde muito nas adaptações. Primeiro, os personagens do livro tem muito mais personalidade (Desculpa gente, apenas a interpretação de Clary me encantou no filme, nem do Magnus eu me lembro e olha que amei o personagem no livro). Segundo, você descobre a verdadeira ordem dos acontecimentos. Terceiro, é muito melhor quando conhecemos a versão de quem deu origem ao fantástico universo de Os Instrumentos Mortais.

Para quem ainda não leu? Leia! Você não irá se decepcionar! O livro é fascinante, muito inteligente a forma que os diferentes tipos se seres são apresentados e representados nas linhas. Autentico! Nunca li nada similar. Cidade dos Ossos foi só o começo para mim, amei e já está na minha lista de favoritos. #Recomendadíssimo!

quarta-feira, 24 de maio de 2017

Resenha | O Orfanato da Srta. Peregrine Para Crianças Peculiares - Ransom Riggs - Livro 1




Autor: Ransom Riggs
Editora: Leya
Páginas: 336
Avaliação:
     


Jacob Portman, um jovem de 16 anos, cresceu ouvindo histórias de seu avô Abraham. Abraham, lhe mostrou fotos, contou tudo sobre o orfanato que residia, onde foi criando com crianças e seus dons um tanto incomuns. Diferente das outras pessoas que acreditava que o senhor de idade já não estava muito bem mentalmente, Jacob sempre se questionou se tudo que ele lhe relatava era verdade ou não. 

Então, Jacob acaba entrando em conflito com suas dúvidas, no momento que vê um ser que não consegue identificar fugindo após a trágica morte de Abraham. Intrigado, sua jornada se inicia quando ele e seu pai viajam para o local das histórias fantásticas aonde seu avô disse ter vivido um dia, uma ilha na costa do País de Gales, descobrindo assim as ruínas do Orfanato da Srta. Peregrine para Crianças Peculiares. 

Diria que este livro se divide em duas partes, a primeira a motivação de Jacob por encontrar e decifrar fatos que podem ter levado a morte de seu avó, agindo impulsivamente pelo amor que sentia pelo mesmo e a segunda é apenas a curiosidade de Jacob em embarcar e se aprofundar das histórias que Abraham um dia vivenciou. É perceptível a divisão pois o livro tem inicio empolgante, um meio interessante porém morno, e seu final é compreensível mas não surpreende. 

Apesar do primeiro livro ter esse desequilíbrio, ainda sim vou ler a sequência pois a história de modo geral é boa. Acredito que a mudança de propósito (vim pelo meu avó, mas ficarei por mim) acabou gerando um desconforto ao final da leitura. A decisão final de Jacob é tão repentina que fiquei pensando: " É tão fácil abandonar sua antiga vida assim, por pessoas que acabou de conhecer?" Como disse anteriormente foi estranho mas compreensível pelo fato de Jacob ter descoberto fazer parte desse universo da mesma maneira que seu avó fazia, ele quer ter a oportunidade de conhecer melhor este novo mundo que lhe é mostrado. 

Porque vou continuar a ler a trilogia? Gostei muito dos elementos e a maneira inteligente como os pontos são "amarrados" na narrativa. Há fendas temporais, e crianças que não são de fato crianças presas em uma realidade alternativa, algumas deles estão bem mas outras sofrem com o isolamento e procuraram se libertar. No passado algumas delas acabam condenadas por visões erradas e objetivos que as transformaram. Não existe apenas seres peculiares, lemos sobre outros seres como etéreos ( peculiares que buscaram a imortalidade e tornaram-se monstros) e acólitos (etéreos evoluídos que fingem ser humanos para procurar peculiares como fonte de alimento para os monstros) que são apenas apresentados a história e com certeza terão melhor explicação nos dois últimos livros (pelo menos assim espero). Também gostei muito, como as imagens foram colocadas, sempre se relacionando diretamente com as falas do personagens, foi algo que foge dos padrões e deu leveza para um livro que tem enredo assustador. Então mesmo que o final não tenha me agradado, acredito que o restante do conteúdo do livro "O Orfanato da Srta. Peregrine Para Crianças Peculiares" deixou-me curiosa por mais. Enfim, espero que Cidade dos Etéreos me surpreenda, sendo menos previsível.

terça-feira, 23 de maio de 2017

Resenha | Buscando a morte encontrei a vida - Ricardo Oscar





Autor: Ricardo Oscar
Editora: Talentos da Literatura Brasileira - Novo Século
Páginas: 136
Avaliação:
    


Imagine o seguinte cenário: Você é um homem com um bom emprego, encontra uma boa parceira, se apaixona e juntos constroem uma família. Logo tem um filho e quando ele cresce ao realizar um pequeno sonho dele, isso acaba se tornando uma grande tragédia. Essa é a história de Wagner.
Este protagonista vê sua vida feliz de realizações, ser arruinada após presenciar o enforcamento de seu filho Gabriel de maneira acidental. Depressivo Wagner não conseguiu seguir adiante sua vida com sua esposa Rafaela e tenta se suicidar jogando-se de uma ponte. Mas uma voz em seu subconsciente diz para não fazer isso, ele escuta, porém acaba sendo atropelado e uma profunda viagem dentro de seu ser se inicia em um navio chamado H.A.R.C.A. 

Uma das coisas que mais me chamou a atenção desde a primeira vez que o vi este livro na "Troca literária" da Editora Novo Século em 2015, foi seu título. Fiquei intrigada e imaginando que tipo de história encontraria em suas páginas. Desde que iniciei a leitura de "Buscando a morte encontrei a vida" soube qual seria o final de Wagner. Porém ao chegar ao último capitulo ainda sim me perguntei qual seria o fechamento que o autor tinha feito. Esse misto de saber o real estado do protagonista e mesmo assim esperar por surpresas, fez com que eu criasse expectativas quando na verdade não deveria. Por outro lado me fez pensar que semelhante a vida, às vezes sabemos os resultados, mas almejamos coisas diferentes e essa reflexão final parece ser a essência do personagem principal. 

Wagner tenta se suicidar, mas não faz. Por alguns breves segundos ele sabe qual seria seu fim, por suas ações mal planejadas. Porém não tinha ainda refletido sobre isso. Sua alma vê seu corpo e fica a sensação que tudo que ele deseja é retomar sua vida. Ele quer um resultado diferente quando ele mesmo tentou tirar a própria vida, porém teme ser tarde de mais agora que entende que foi um acidente. Rafael, seu mentor do outro lado da vida mostra a Wagner que todas as atitudes que são decididas têm uma causa e um efeito para acontecer. Que não foi meramente ao acaso. E essa profundidade espiritual se faz presente em todos os capítulos do livro. Juntamente a Wagner mergulhamos em seu interior para compreender as partes que compõe sua alma. 

Apesar de o livro não citar religião e mencionar Deus em várias páginas vi muitos aspectos budistas nele. Quando li sobre a parte que relata para Wagner que a alma está em constante aprendizado, evoluindo ao longo de suas reencarnações é um exemplo disso. Outro momento foi o entendimento sobre o real motivo da morte de Gabriel, como as vidas dos três protagonistas: Wagner, Rafaela e Gabriel sempre estiveram interligados. Que esta vida de sofrimento na verdade foi uma escolha deles para pagar atrocidades de outras vidas, entre diversos outros fatos muito significativos para história de modo geral. 
"Buscando a morte encontrei a vida" é um livro para refletir sobre o real significado da vida e da morte. Levando seu leitor a ver que a morte talvez não seja um ponto final e sim o começo para algo que vai além de nossa compreensão, que se uma missão termina em plano terrestre, ainda sim continuará evoluindo em plano espiritual.